Segunda, 22 de Dezembro de 2014
Carregando...

O Repórter

Frei Neylor Tonin

Neylor J. Tonin é frade franciscano e descendente de italianos. Mestre em Espiritualidade, é formado em Psicologia, Sociologia e Jornalismo. Escritor e conferencista, professor de Oratória Sacra (Homilética), quer ser da vida "um bom pastor, um ardente profeta, um encantado poeta.
Frei Neylor Tonin

De coração aberto - Entrevistas

  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Frei Neylor Tonin - 03 de julho de 2012 às 18:15

Entrevistas

O pernambucano Geneton Moraes Neto (Recife, *1956) é um entrevistador maior. O superlativo que mais lhe assenta é “nobilíssimo” e o adjetivo poderia ser “intimorato”. Ele sabe perguntar e não foge, com acribia e respeito, das perguntas mais espinhosas. Bastaria lembrar a entrevista que fez ao ex-governador de São Paulo, Paulo Egídio Martins, que esclareceu, sem rebuços, e execrou a farsa montada quando do autoenforcamento do preso político, o jornalista Wladinir Herzog. Mas a entrevista das entrevistas, ele a fez com o ex-Presidente Jimmy Carter e o Bispo sul-africano Desmond Tutu. Digo isso, admirado, diante das perguntas e respostas políticas e espirituais que se sucederam. Jimmy Carter não hesitou em afirmar que o pior erro cometido por seu país foi o bloqueio econômico à Cuba e que não vê o Presidente da Venezuela Hugo Chávez como inimigo irrecuperável dos USA. Garantiu que a paz só poderá acontecer entre israelitas e palestinos quando os primeiros abandonarem os países ocupados da Palestina e Síria e os segundos reconhecerem, sem meios termos, o direito de Israel como país autônomo. Disse ainda que gostaria de ver seu nome passando para a história como alguém que não mentiu como Presidente e como defensor acérrimo das liberdades e direitos humanos. Por seu lado, o Bispo Desmond Tutu asseverou que não gosta de ranquear as pessoas como inimigas, ou seja, uma mais e outra menos. A grande questão, segundo ele, é o que podemos fazer para ajudá-las. Quando perguntado pelo jornalista: “Se o senhor se encontrar com Deus, o que o senhor lhe perguntaria em primeiro lugar?”, ele, de bom humor, respondeu: “Não me pergunte “se”,  mas “quando” eu me encontrar com Ele. Eu lhe perguntaria: Por que o Senhor permitiu tanto sofrimento e desgraça ao nosso mundo?” A entrevista foi riquíssima, nobre e irretocável. Jornalistas deste naipe honram o Brasil. Não só elevam seu nível, mas enriquecem seus ouvintes. Obrigado, Geneton Moraes Neto. (As entrevistas do jornalista são apresentadas, na Globonews, aos sábados à noite. Não deixe de assisti-las!)

Sobre a importância de ler

Aceita-se como verdade indesmentível que nós, brasileiros, em geral, lemos pouco ou muito pouco. Diz-se que outros povos teriam o hábito da leitura, o que faltaria ao povo brasileiro. Mas também é verdade que no Brasil há mais de mil Editoras e todas elas sobrevivendo, graças a seus Leitores (que compram seus livros). As Bienais de São Paulo e do Rio, assim como as Feiras de Livros de Porto Alegre, de Curitiba, de Campinas e de muitas outras cidades brasileiras também são acontecimentos auspiciosos. Tudo isso não desmente o fato da pouca e insuficiente leitura do nosso povo. Não temos, em nosso DNA cultural, o hábito da leitura.

Longe de mim condenar o arraigado hábito brasileiro de ver televisão, de seguir novelas, de assistir a disputas esportivas. Tudo isso é bom e gostoso. Mas seria também importante reservar um tempo para ler jornais e um bom livro. O bom livro não precisa ser religioso (até, pelo contrário). Bons autores são mestres da sabedoria humana e podem ensinar a suprema arte de viver e de como enfrentar, com grandeza e sabedoria, os desafios da vida.

É muito importante manter uma atitude receptiva e ter o coração aberto, procurando enriquecer-se espiritual e afetivamente. Quando somos adultos, temos normalmente uma fieira de amigos. Entre os muitos amigos, deveríamos abrir espaço para um outro amigo: o livro. O livro, costuma-se dizer, é um amigo silencioso. Silencioso e rico, sábio e paciente. Podemos tratá-lo com carinho e afeto, segurá-lo nas mãos ou fechá-lo sem pedir desculpas.

A leitura de histórias maravilhosas é muito importante para as crianças, pois as leva para o mundo da imaginação e dos sonhos, além de ensiná-las a se posicionar diante de uma vida que lhes é contada nos livros. Diríamos o mesmo em relação aos adolescentes e jovens, ainda tão indefinidos em suas opções. As personagens dos livros podem lhes apontar novos caminhos e estimulá-las a pensar grande, levando-as a serem como elas. Os adultos encontrariam nos livros uma parceria que tornariam suas vidas menos chatas e problemáticas. Esta idade sofre da tentação de falar e ensinar. Psicologicamente, experimenta grande confiança e intelectualmente vê-se preparada para dizer como a vida é ou não deveria ser. É nesta tentativa que se faz necessário continuar lendo, bem e muito. Embora o núcleo intelectual e afetivo de nossa vida já esteja bastante delineado, necessita ele de contínuo enriquecimento para não escorregar para o ridículo pessoal e para o menosprezo dos outros. Ler e ler bem e selecionadamente será, então, importante e vital. Caso contrário, podemos nos tornar cansativos, repetitivos, chatos e, culturalmente, miseráveis.

Frei Neylor, irmão menor e pecador
neylor.tonin@terra.com.br
www.freineylor.net


  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Comentários (3)
  • Nilciléa (Rio de Janeiro)

    "O livro, costuma-se dizer, é um amigo silencioso. Silencioso e rico, sábio e paciente. Podemos tratá-lo com carinho e afeto, segurá-lo nas mãos ou fechá-lo sem pedir desculpas." Quanta precisão desta descrição, nunca tinha pensado nesta definição, parabéns, Frei Neylor!Sempre nos presentando com suas palavras.

    05/07/2012 10:43 :: 1 usuário concorda Carregando...
  • Geneton Moraes Neto (Rio)

    Caro frei Neylor Tonin: Ao acessar o Twitter, vi um link para este texto. Quero agradecer a generosidade de suas palavras sobre este entrevistador. Um abraço Geneton

    05/07/2012 10:43 :: 1 usuário concorda Carregando...
  • ivanilda alves Fernandes (Rio de janeiro)

    Frey Neilor o senhor é muito inteligente, porém tem um grave defeito, torce para um time que não condiz com seu perfil.o seu deveria ser TRICOLOR (como Dom Nelsone padre Ionaldo). Parabéns pela coluna.

    05/07/2012 10:43 :: 1 usuário concorda Carregando...
Deixe seu comentário
Mensagem:
Selo 220x90