Sábado, 21 de Outubro de 2017

O Repórter

Frei Neylor Tonin

Neylor J. Tonin é frade franciscano e descendente de italianos. Mestre em Espiritualidade, é formado em Psicologia, Sociologia e Jornalismo. Escritor e conferencista, professor de Oratória Sacra (Homilética), quer ser da vida "um bom pastor, um ardente profeta, um encantado poeta.
Frei Neylor Tonin

De Coração Aberto - Primeiro santo brasileiro

  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Frei Neylor Tonin - 27 de outubro de 2013 às 14:03

Há seis anos, a Igreja do Brasil mereceu também ela as honras dos altares, na pessoa de Frei Antônio de Sant’Anna Galvão, o primeiro santo brasileiro. No dia 28 de outubro de 1998, o Papa João Paulo II tinha beatificado a FREI GALVÃO, oficializando-o como o primeiro beato brasileiro e reconhecendo-lhe publicamente “o grau heroico de virtudes”. A partir deste dia, todos os seus devotos, no Brasil, puderam rezar e invocá-lo: “Beato Frei Galvão, rogai por nós!” E no dia 11 de maio de 2007, há seis anos, o Papa Bento XVI proclamou Frei Galvão santo para o mundo todo. (Na praxe da Igreja, como beato, a veneração era restrita ao Brasil; como santo, ela foi estendida para todos os devotos em qualquer parte do mundo. Hoje, Frei Galvão pode ser o padroeiro de uma igreja no mundo todo.)



Nascimento

Do primeiro santo brasileiro – disse o Visconde de Taunnay “corria-lhe nas veias uns duzentos e cinquenta e seis anos de sangue americano”. Ele foi filho de Antônio Galvão de França, culto e remediado patrício português que aportou no Brasil em torno a 1730, e de Isabel Leite de Barros, nascida em Pindamonhangaba, São Paulo. Ambos pertenciam a famílias profundamente religiosas e, depois de terem seus primeiros três filhos em Pindamonhangaba, mudaram-se para Guaratinguetá onde nasceu em 1738/9 o filho que recebeu o nome de Antônio de Sant’Anna Galvão. O casal teve, ao todo, 10 filhos.

Frade franciscano

Antônio teria manifestado, desde cedo, o desejo de seguir a carreira eclesiástica. Queria ser padre e missionário. Seu pai, esperto português, desaconselhou-o a fazer-se jesuíta, embora tivesse sido chamado de “flor da formação jesuítica” pelos estudos que fez com eles em Salvador, Bahia, pois, naquele tempo, eram perseguidos pelo Primeiro Ministro português, Marques de Pombal. Seus pais pertenciam à Ordem Franciscana Secular e Antônio ingressou no Noviciado dos Frades Menores em 1760. Dois anos mais tarde, precisamente no dia 11 de julho de 1762, foi ordenado sacerdote muito provavelmente no Convento de Santo Antônio, no Largo da Carioca da cidade do Rio de Janeiro.

A pé

Não se demorou muito nesta cidade. Seu destino era São Paulo a 400 quilômetros do Rio. Para lá se dirigiu o recém-ordenado padre, com pouco mais de 24 anos. Merece registro o fato de ter ido a pé! Quando chegou a São Paulo, a atual metrópole com mais de 15 milhões de habitantes, era uma esquálida vila de apenas 3.852 moradores. Frei Galvão deve ter sido, nesta esquecida cidadezinha, uma figura proeminente, pois foi logo ocupando cargos e ministérios. O livreto Louvores a Frei Galvão o descreve como “astuto conforme o evangelho”, “instrumento franciscano de paz”, “místico e fecundo na ação”, “testemunho do trabalho”, “porteiro e fiel acolhedor”. Em São Paulo, empenhou-se a construir o Mosteiro da Luz, para abrigar as prostitutas da cidade e uma congregação de freiras: as Monjas franciscanas Concepcionistas. Tendo terminado seus estudos em 1768, aos 30 anos, foi nomeado pregador, confessor dos leigos e responsável pela Portaria do Convento de São Francisco de São Paulo. Mas ele queria mais, muito mais, e isto foi sua glória e sua cruz.

Intrigas

O Capitão-General da Comarca, Dom Luís, Governador da Capitania, resolveu criar uma Academia de Letras, para a qual convidou Frei Galvão. Itu, Sorocaba, cidades do Vale do Paraíba foram visitadas pelo pregador franciscano, insigne por sua sabedoria e eloquente por sua retórica. Mas nem tudo foi céu-de-brigadeiro na vida de Frei Galvão. O que Dom Luís teve de amigo, seu sucessor, Dom Martim Lopes, foi de espinho. Para agradar seus chefes imediatos que eram declaradamente anticlericais, Dom Martim ordenou o imediato fechamento do Recolhimento da Luz, obra que vinha ocupando as forças e o engenho construtor de Frei Galvão e cujos benefícios já se faziam sentir na vida dos habitantes de São Paulo. Mas o clamor popular foi mais forte e o Governador teve que voltar atrás, pela primeira vez. Mas houve uma segunda que ocorreu quando o filho do Governador se envolveu numa bebedeira e brigou com um soldado chamado Caetaninho que o feriu. O pobre soldado foi condenado à morte, o que revoltou a população e encontrou em Frei Galvão o advogado forte que o caso precisava. Como o Governador era maldoso, acabou expulsando o frade da cidade que se prontificou em obedecer, sem reagir. Mais uma vez o povo, que tanto já o reverenciava, o salvou e o decreto foi revogado, podendo Frei Galvão permanecer na cidade.

Hall da fama

No Convento de Santo Antônio do Rio de Janeiro (Largo da Carioca), há seis enormes quadros, pintados em torno a 1862 pelo artista italiano Tirone, que ocupam uma espécie de Galeria dos Homens Ilustres. Entre eles estão Frei Francisco de Santa Teresa de Jesus Sampaio, um dos artífices da Independência do Brasil e promotor do Dia do Fico e Frei Francisco de Monte Alverne, o maior pregador da época e orador oficial da Capela Real do Outeiro Nossa Senhora da Glória. Pois bem, um dos seis quadros retrata Frei Antônio de Sant’Anna Galvão. Isto significa que, tendo vivido 84 anos – morreu no dia 23 de dezembro de 1822 -, foi um pico soberano em meio à paisagem do século XIX, alteando-se como cultura e santidade, como realizador de uma obra admirável e figura fascinante de extrema grandeza e beleza espiritual. Foi corajoso sem ser duro, foi dedicado sem ser subserviente. Enfrentou autoridades e acudiu os necessitados. Nunca mostrou medo e foi sempre frade menor em seus serviços apostólicos. Hoje ocupa, com méritos próprios e por graça divina, os altares da Igreja Universal como o primeiro santo brasileiro declaradamente na glória dos santos. Sua festa foi fixada para o dia 25 de outubro.

Oração a de Frei Galvão

Ó Santo Frei Galvão, que recebestes de Deus a graça da santidade e fostes um exemplo de caridade, intercedei por nós junto a Deus, a quem servistes com fidelidade e por Ele fostes amado. Peço-vos ajuda em nossas dificuldades e bênçãos para a saúde do corpo e da alma. Peço-vos, sobretudo, uma caridade sem limites, uma fé sem vacilações e a graça de caminhar, sem desânimo, até o fim de minha vida. Meu santo Frei Galvão, vós fostes um pregador da paz e da reconciliação entre as pessoas. Ajudai-me a viver em paz com os meus semelhantes, com minha família, e até com meus inimigos. Amém.

Trecho da Homilia de Bento XVI ao canonizar Frei Galvão, em 11.05.2007

“Significativo é o exemplo do Frei Galvão pela sua disponibilidade para servir o povo sempre quando era solicitado. Conselheiro de fama, pacificador das almas e das famílias, dispensador da caridade especialmente aos pobres e aos enfermos. Muito procurado para as confissões, pois era zeloso, sábio e prudente”.

Frei Neylor, irmão menor e pecador
neylor.tonin@terra.com.br
www.freineylor.net

De Coração Aberto - Papa Francisco: um vulcão de simpatia

  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Frei Neylor Tonin - 20 de outubro de 2013 às 12:12
Alex de Souza / Agência O Repórter
A presidente Dilma recebe sumo pontífice na Base Aérea do Galeão por ocasião da Jornada Mundial da Juventude

Os brasileiros não desconfiavam que um argentino pudesse ser tão simpático. Os nossos estereótipos dos “hermanos” não eram muito lisonjeiros. Mas o Papa Francisco nos surpreendeu a todos. Mesmo perdido em meio ao nosso trânsito, com um itinerário mal traçado e caoticamente desobedecido, não perdeu o sorriso, debruçava-se na janela do carro, abanava para as pessoas, deixava-se tocar sem perder a simpatia e a majestade. Nos dias seguintes, deu aula de calor humano. Nem os discursos enfadonhos de quem queria revelar-lhe que estava num país das sete maravilhas, nem o discurso de quem quis ensinar-lhe como é a vida de um hospital, crisparam-lhe o semblante. Sorria com seus olhinhos espertos e compreensivos. Brincou de trocar de solidéu com um espectador, tomou chimarrão (mate) com outro, abraçou crianças, enterneceu-se com cadeirantes e pediu licença para rezar numa favela com os fiéis de outra Igreja não Católica. A sua simpatia correu o mundo. É campeão no twitter com 10 milhões de acessos, mais do que qualquer outro pop-star. Recebe por dia 2 mil cartas. Ajunta 100 mil pessoas na Praça de São Pedro na hora do Ângelus em plena quarta feira. Nas paróquias, os padres revelam que aumentaram o número de confissões. Na Polônia, aumentaram o número de candidatos ao sacerdócio. Na Rússia, 71% da população gostaria que ele fosse a Moscou. 91,5% dos seminaristas do Instituto Toniolo se confessam maravilhados por ele. 81% acreditam que, com ele, é possível haver coerência moral entre o que a Igreja fala e pratica. Não ataca os inimigos, não se irrita com quem pensa diferentemente, mas recebe a todos com alma e coração. É um grande homem de Paz. De forma bonita, o jornalista espanhol e correspondente do jornal El Pais no Brasil, afirmou que “o Papa está vivendo como nos tempos de Cristo”. “Conheci, disse ele, sete Papas, mas nenhum como este”. Por isso o classificou como um ciclone de simpatia. Este é o nosso Papa, um Papa que tem a alma franciscana e italiana de um Bergoglio e o espírito jesuítico empinado de um argentino. Que Deus o conserve por muitos anos para o bem da Igreja e para o bem do mundo. Ele não é um imperador, mas se apresenta como um simples padre e um bom pastor.

Chateações e horrores


Ler o jornal todos os dias é uma obrigação e uma necessidade. É por ele que o mundo chega a nossa casa e se espraia sobre nossa mesa. Mas convenhamos, ele é também uma fonte de chateações, irritações e uma bandeja de horrores. Vou dar apenas alguns exemplos para expressar meu desagrado.

CHATEAÇÕES: Assuntos que não andam e se repetem implacavelmente: a Presidenta faz juras de respeito à religião e passa a defender uma agenda ambiental, com sustentabilidade e tudo; o Serra diz que não é candidato à Presidência em 2014, mas diz estar pronto para o que der e vier; Lula fala sobre tudo e dá aulas a todos; brigas e discussões disparatadas sobre o direito de publicar ou não biografias de pessoas públicas com ou sem a autorização dos biografados; acordos e desacordos dos Partidos e Políticos em apoiar este ou aquele candidato à Presidência em 2014; jogadores de futebol afirmando humildade antes do jogo e, derrotados, confessando que saem de campo de cabeça erguida; os vitoriosos, mesmo escondendo malmente sua arrogância, delegam ao time a importância da vitória e lhe dão os parabéns. Quanto espaço inútil ocupado nos jornais por protagonistas chatos e medíocres!

HORRORES: O líder republicano e Presidente da Câmara, nos USA, confessa ter medo de parecer pouco conservador; países duma Europa civilizada pouco se lixando com a sorte dos imigrantes que morrem afogados em suas praias; Black Blocs quebrando, sem critérios, o que encontram pela frente, apenas para satisfazer seus instintos de vandalismo; os países que mais poluem (USA e China) causando 230 mil mortos por ano por câncer no pulmão de seus concidadãos; as incansáveis e repetidas investidas do Pastor e Deputado Federal Marco Feliciano contra gays, lésbicas, beijos impróprios e casamentos entre homossexuais. A lista dos horrores não para por aí. Mas que dinheiro malbaratado com jornais que dão tanto espaço a assuntos tão chatos e horripilantes! Um bom sorvete ou um saquinho de pipoca teriam um destino mais apropriado para os trocados gastos com jornais. Uma inevitável pergunta: O que você aprende lendo jornal, recebendo todos os dias uma enxurrada de notícias maçantes e estímulos superficiais? Dir-me-ás: assim é a nossa sociedade. Pode ser verdade, mas a pouca criatividade dos jornais tem o seu peso. É fácil repercutir o que pensam os moradores dos Jardins Paulistas e da Zona Sul do Rio. Difícil seria dar espaço para os urgentes e graves problemas de Sapopemba (São Paulo) e para a Baixada Fluminense. Mas, para estes locais, nossos jornais não têm olhos e pouco interesse.



PLAC! PLAC! para o Papa Francisco que afirmou: “Fé e violência são inconciliáveis”.
PLAC! PLAC! para os cinco países mais felizes do mundo: Dinamarca, Noruega, Suíça, Holanda e Suécia.
PLAC! PLAC! para o Prefeito de uma quequena cidade espanhola, Marinadela (1.645 habitantes) que “rouba” de supermados para que a população não passe fome.

UUUH! UUUH! para o Governo paraguaio do falecido Presidente Alfredo Stroessner (1912-2006), período em que foram torturadas 20 mil pessoas, 59 executadas e 336 desapareceram.
UUUH! UUUH! para o Estado americano da Califórnia que, em plebiscito, não aboliu a pena de morte.
UUUH! UUUH! para o Brasil que tem a tarifa de celular mais cara do mundo: US$ 0,71, enquanto que na Índia é de US$ 0,01.

MEU DEUS!
Cães de Los Angeles são treinados a morder somente negros e latinos.
MEU DEUS! A Fundação britânica Walk Free Foundation revelou que ainda existem, no mundo, 29,8 milhões de pessoas em regime de escravidão. No Brasil, entre 200 a 230 mil.
MEU DEUS! Na Alemanha, com uma população de 81 milhões de habitantes, 25 milhões se declararam católicos (32,3%). O Luteranismo teria 32,9%.



“O mundo inteiro se abre quando vê passar uma pessoa que sabe para onde vai”.
(Antoine de Saint-Éxupéry, 1910-1944, autor de “O Pequeno Príncipe”)

Frei Neylor, irmão menor e pecador
neylor.tonin@terra.com.br
www.freineylor.net