Sábado, 16 de Dezembro de 2017

O Repórter

Frei Neylor Tonin

Neylor J. Tonin é frade franciscano e descendente de italianos. Mestre em Espiritualidade, é formado em Psicologia, Sociologia e Jornalismo. Escritor e conferencista, professor de Oratória Sacra (Homilética), quer ser da vida "um bom pastor, um ardente profeta, um encantado poeta.
Frei Neylor Tonin

De Coração Aberto - São Pedro e São Paulo

  • Compartilhar
  • Compartilhar por e-mail
  • Reportar um erro
Frei Neylor Tonin - 30 de junho de 2013 às 18:36
reprodução

São Pedro e São Paulo

Junho se encerra com as duas eminentes figuras da Igreja. Não dá para não se encantar diante delas. Nem é preciso chamá-las de santos. A verdade é que foram responsáveis pela implantação do cristianismo e da evangelização da Igreja Primitiva. Sem eles, a Igreja teria sido bem outra. Mortos, um na cruz e outro ao fio da espada, ambos merecem idêntica admiração e desarmado reconhecimento.

SÃO PEDRO: Simeão era seu nome. Foi um rústico pescador da Galileia, transformando, por Jesus, em Cefas, Pedro e pedra. A ele, o Mestre confiou as ovelhas e os cordeiros da Igreja nascente. Foi obediente ao chamado de Jesus, não hesitando em deixar as redes da casa de seu pai. Tinha um caráter limpo e, ao mesmo tempo, voluntarioso, que o fez despertar, sem cerimônias, a Jesus que dormia em meio da tempestade e o levou, na Quinta Feira Santa, a arrancar da espada para defendê-lo.

Não obstante isso, foi fraco e traidor, mesmo chorando, depois, lágrimas de fogo quando Cristo olhou para ele. De Pedro podemos dizer que amou e traiu, que tudo abandonou e que, finalmente, deu sua vida, num gesto derradeiro de fidelidade, por Jesus. Antes, acompanhou Jesus alegremente no Tabor e dolorosamente no Jardim das Oliveiras. Mas seu momento mais glorioso ocorreu quando confessou, sem meios termos: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo!” (Mt 16,16).

SÃO PAULO: Seu nome era Saulo. Foi um fariseu íntegro e fogoso. Aprovou o apedrejamento de Estêvão, o primeiro mártir da Igreja, e, por isso, se confessou, posteriormente,  “blasfemo, perseguidor e violento” (1Tm 1,13). Espalhava o medo e arrastava, sem piedade, homens e mulheres cristãos para a prisão. Sua fidelidade ao seu credo religioso, tinha tintas de desvario, até que foi derrubado do cavalo de sua arrogância e cegado em sua honestidade de feroz cumpridor da Lei.

Mas os caminhos de Deus são surpreendentes. Daquele que mais perseguia os cristãos, embora fosse apenas um laborioso fabricante de tendas; daquele que, mesmo sendo um bom pregador, amargou o fracasso no Areópago de Atenas; daquele que se achava coberto de justificativas embora, finalmente, se confessasse um agraciado filho abortivo; daquele que recalcitrava por ter um espinho na carne e um anjo de satanás a esbofetear-lhe a vaidade; a ele, Deus o fez, por inimaginável graça, uma coluna da Igreja, e lhe conferiu a glória de ser o apóstolo dos gentios, doutor da verdade e, finalmente, um louco de amor por nosso divino Salvador.

De Cristo, como Paulo,  queremos ter os mesmos sentimentos e sempre gloriar-nos na cruz de nosso Salvador. Ao exaltar a graça de Deus na vida de São Paulo, dispomo-nos a sempre procurar as coisas do alto, cientes de que tudo podemos naquele que nos conforta. Que morra em nós o velho Adão e viva o novo, que é Cristo, para que possamos, na vida e na morte, confessar: “Eu vivo, mas já não sou eu, é Cristo que vive em mim” (Gl 2,19). “Para mim e para toda humana criatura, viver é Cristo” (Fl 1,21).

Leitores

Escreve a jovem professora Inês Ferreira: “Que bacana sua reflexão sobre João Batista! Que ele continue encantando e iluminando sua vida. Concordando em gênero, número e grau: o Papa está de fato ‘bombando’ de todas as formas possíveis e esperamos com encantamento a sua visita que acontecerá a menos de um mês”.

À espera do Papa


Para se conhecer melhor a pessoa do Papa Francisco, está à venda uma excelente biografia (Ed. Objetiva, R$ 22,50). Vale a pena lê-la. É da autoria da jornalista argentina Evangelina Himitian. Estilo fácil, gostosamente palatável, com muitos detalhes e novidades. Nele se revela porque a candidatura do Cardeal brasileiro Dom Odilo Pedro Scherer, um dos três mais decantados “papabili”, desmoronou abruptamente. O próprio Papa Francisco teria votado, especula-se, no Cardeal franciscano capuchinho de Boston, Dom Sean Patrick O’Malley. Mas a cartada decisiva que inclinou o voto de mais de 90 Cardeais nele ocorreu após uma intervenção de Jorge Maria Bergoglio, na qual ele confessou: “Hoje não são necessários clérigos, não são necessários funcionários clericais, são necessários pastores que tenham cheiro de ovelhas, pastores que estejam com as ovelhas, que nunca batam nelas e, sim, cuidem delas com muito amor”. O resultado é conhecido: Foi eleito um papa “com cheiro de ovelhas”.



PLAC! PLAC! para o Papa Francisco que deu três adjetivos para a Igreja: serva, humilde e fraterna.
PLAC! PLAC! para o Papa Francisco que alertou contra um mundo “onde reina o fetichismo do dinheiro”.
PLAC! PLAC! para o Papa Francisco que assim se dirigiu aos jovens num twit: “Não desanimeis! Apostai alto!”

UUUH! UUUH! para o Governo que propôs, num primeiro momento, uma Assembleia Constituinte Exclusiva, rejeitada, de imediato, por todas as instâncias jurídicas do país.
UUUH! UUUH! para o projeto do Trem-Bala, entre Rio e São Paulo, orçado em 12 bilhões de Reais e que, hoje, já prevê gastos entre 33 e 60 bilhões.
UUUH! UUUH! para a importação de médicos estrangeiros para hospitais do Interior sem equipamentos adequados até para uma simples radiografia.

MEU DEUS! MEU DEUS! Mortos nos conflitos na Síria de Bashar al-Assad já seriam 100 mil, sendo que 43 mil seriam dos defensores do regime.
MEU DEUS! MEU DEUS! Segundo sequenciamento genético, cavalos já teriam existido há 700 mil anos atrás.
MEU DEUS! MEU DEUS! Um garçon (são 7) do Senado Federal chega a ganhar R$ 14,6 mil.


“Não roubar, não deixar roubar, pôr na cadeia quem roube, eis o primeiro mandamento da moral pública”. Ulisses Guimarães, 1916-1992

Frei Neylor, irmão menor e pecador
neylor.tonin@terra.com.br
www.freineylor.net