O Repórter

Ataque em supermercado no Estado de Nova York deixa 10 mortos

Homem branco, de 18 anos, com roupas militares, invadiu o local e fez vários disparos

Por OREPORTER.COM
14 de maio de 2022 às 22:27
Atualizada em 14 de maio de 2022 às 23:36
Compartilhe a notícia:
Fotos: Derek Gee / Bufalo News

NOVA YORK, EUA* - Um homem branco, de 18 anos, fortemente armado abriu fogo em um supermercado em uma área majoritariamente negra de Buffalo, matando 10 pessoas e ferindo mais três, disseram as autoridades norte-amaericanas, em um ataque aparentemente racista, como informou em sua edição on-line o jornal "The New York Times",

O suspeito, que foi identificado no tribunal como Payton S. Gendron de Conklin, de Nova York e está prese, se declarou inocente nna noite desta sábado (14). Se condenado pela Justiça americana, Payton  pode pegar uma pena de prisão perpétua, sem liberdade condicional.

A informação foi confirmada pelas autoridades locais e pelo prefeito de Buffalo, Byron Brown, em uma coletiva de imprensa. Ele também disse que o atirador não era da comunidade e que ele "viajou por horas" até o local do crime, um bairro predominantemente negro.

Payton estava armado com uma arma de assalto e usava colete à prova de balas, disse a polícia, e tinha uma câmera de vídeo afixada em seu capacete que transmitia o tiroteio ao vivo pela internet.

O ataque parece ter sido inspirado por massacres anteriores motivados pelo ódio racial, incluindo um tiroteio em uma mesquita na Nova Zelândia e outro em um Walmart no Texas, ambos em 2019.

Um oficial da lei disse que os investigadores estavam revisando um manifesto que se acredita ter sido postado online por Payton. Estava cheio de visões racistas e anti-imigrantes que alegavam que os americanos brancos corriam o risco de serem substituídos por pessoas de cor, uma ideologia conhecida como a teoria da “grande substituição” . Em vídeo e imagens do massacre que parecem ter sido capturados pela câmera afixada em seu capacete, um insulto racial anti-negro pode ser visto no cano de sua arma.

Onze das pessoas baleadas eram negras e duas eram brancas, disseram as autoridades.

“Foi um crime de ódio racialmente motivado”, disse John Garcia, xerife do condado de Erie, em entrevista coletiva na noite deste sábado.

O massacre começou por volta das 14h30, disseram as autoridades, quando Payton, que não mora em Buffalo e dirigiu várias horas de Conklin, uma cidade ao sul de Binghamton, para chegar lá, desceu de seu carro vestido equipamento e armadura corporal e portando uma arma de assalto.

Ele atirou em quatro pessoas no estacionamento, disse o comissário de polícia de Buffalo, Joseph A. Gramaglia, na entrevista coletiva, três delas fatalmente. Quando ele entrou na loja e continuou atirando, ele encontrou um segurança – um policial aposentado de Buffalo que revidou o fogo. Mas Payton estava usando revestimento de metal pesado; ele matou o guarda e continuou na loja, atirando em compradores e funcionários.

As 10 pessoas mortas em Buffalo representam o maior número de mortes em um tiroteio em massa este ano nos Estados Unidos, de acordo com o site Gun Violence Archive , que faz o rastreamento desses dados. O maior número de mortos este ano antes disso foi seis, em um tiroteio no centro de Sacramento em 3 de abril. Seis pessoas também foram mortas em um tiroteio em Corsicana, Texas, em 5 de fevereiro, e o mesmo número foi morto em um tiroteio em Milwaukee em 23 de janeiro, de acordo com o site.

*Com informações do The New York Times e agências internacionais

Últimas de Mundo