O Repórter

Elon Musk volta a colocar compra do Twitter em dúvida

Bilionário questiona dado sobre número de contas falsas

Por Agência Ansa
17 de maio de 2022 às 13:49
Atualizada em 17 de maio de 2022 às 13:50
Compartilhe a notícia:
EPA
Elon Musk ofereceu US$ 44 bilhões por 100% do Twitter
Elon Musk ofereceu US$ 44 bilhões por 100% do Twitter

MILÃO - O bilionário Elon Musk voltou a colocar em dúvida a compra do Twitter e disse que a operação não vai avançar enquanto a rede social não provar que as contas falsas e de spam representam menos de 5% dos usuários ativos.

Em um tuite publicado nesta terça-feira (17), o dono da Tesla afirmou que sua oferta de US$ 44 bilhões por 100% das ações foi baseada na precisão dos documentos protocolados pelo Twitter na Comissão de Títulos e Câmbio (SEC, na sigla em inglês), equivalente dos Estados Unidos à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

"Ontem, o CEO do Twitter se recusou publicamente a mostrar provas dos menos de 5%. Esse acordo não pode seguir adiante enquanto ele não provar", escreveu Musk, que estima que a presença de contas falsas e de spam pode ser superior a 20%.

"Parece que o Twitter deveria receber uma avaliação externa se suas afirmações forem verdadeiras", reforçou o bilionário em outro tuite.

Na última segunda-feira (16), o CEO da rede social, Parag Agrawal, havia dito que as estimativas de perfis falsos divulgadas pela empresa não poderiam ser verificadas "externamente" devido à necessidade de se usar informações "públicas e confidenciais". Musk respondeu com um emoji de cocô.

A controvérsia sobre o número de contas falsas já fez o bilionário suspender temporariamente o acordo para a compra do Twitter, apesar da promessa de que ele continua "comprometido" com o negócio. Essa postura errática provocou uma queda de mais de 20% das ações da rede social em Wall Street nos últimos cinco dias.

Últimas de Mundo