O Repórter

Imperatriz tenta seguir campeã com desfile repleto de cor e misticismo

Por Rafael Max
12 de fevereiro de 2024 às 06:01
Atualizada em 12 de fevereiro de 2024 às 06:08
Compartilhe a notícia:
David Normando/Rio Carnaval
A Imperatriz Leopoldinense fez o enredo Com a Sorte Virada Pra Lua
A Imperatriz Leopoldinense fez o enredo Com a Sorte Virada Pra Lua

RIO - A Imperatriz Leopoldinense fez a sua defesa do título conquistado no ano passado com um enredo que abordou a sorte, as previsões e o misticismo. Fechando a primeira noite de desfiles, a verde e branco de Ramos apresentou Com a Sorte Virada Pra Lua Segundo o Testamento da Cigana Esmeralda, desenvolvido por Leandro Vieira. O ponto de partida foi uma obra escrita há mais de cem anos. 

Para desenvolver o enredo, a Imperatriz abordou as tradições ciganas, trazendo uma visão poética sobre como o tal testamento chegou ao Brasil. A escola mostrou a visão sobre os sonhos, pois cada um pode ter um significado diferente. Depois, a Imperatriz falou sobre a arte da quiromancia, a leitura das mãos para prever o destino. 

Em seguida, foi a vez de mostrar a visão astrológica cigana com os planetas e a Lua regendo cada elemento da vida humana. Para isso, várias alas representaram os astros pela imensidão do espaço.

O mapa astral da própria Imperatriz foi traçado, já que a escola nasceu em 1959 com o signo de peixes. O enredo descreve a escola como "uma pisciana com a sorte virada para a Lua".

A Imperatriz apostou em uma temática colorida, bem o estilo cigano. A agremiação apresentou uma boa estética em fantasias, somando-se com o canto forte dos componentes. Ao que deve indicar, a verde e branco deve, no mínimo, garantir a presença no desfile das campeãs do sábado.

Últimas de Carnaval Brasil