O Repórter

Padre Miguel, Ilha e Império Serrano se destacam na segunda noite da Série Ouro

Divisão de acesso do carnaval carioca encerrou seus desfiles

Por Rafael Max
11 de fevereiro de 2024 às 06:01
Atualizada em 11 de fevereiro de 2024 às 06:34
Compartilhe a notícia:
Aline Fonseca/Riotur
Unidos de Padre Miguel busca o acesso ao Grupo Especial
Unidos de Padre Miguel busca o acesso ao Grupo Especial

RIO - Terminou na madrugada deste domingo (11) os desfiles das escolas de samba da Série Ouro, a divisão de acesso do Rio de Janeiro. Dezesseis agremiações se apresentaram em duas noites de escolas, na disputa por uma vaga no Grupo Especial.

Na segunda noite de apresentações, se destacaram as escolas União da Ilha, Unidos de Padre Miguel e Império Serrano. A escola insulana fez uma mensagem contra o racismo ao retratar duas crianças negras; já o Boi Vermelho da Zona Oeste trouxe a devoção a Padre Cícero; por fim, a verde e branco de Madureira falou sobre

A apuração das notas da Série Ouro será na quarta-feira de cinzas. Além da campeã, também haverá a definição das duas rebaixadas para a Série Prata, que desfila na Estrada Intendente Magalhães.

Veja o que cada escola apresentou:

Sereno de Campo Grande - De volta ao Grupo de Acesso após uma década, a agremiação da Zona Oeste carioca apresentou o enredo 4 de Dezembro, desenvolvido pelo carnavalesco Thiago Avis. A azul e branco falou sobre os festejos de Santa Bárbara e oi orixá Iansã, a qual os adeptos das religiões afro-brasileiras costumam sincretizar. No primeiro setor, a escola destacou a devoção aos Orixás, chegando a Iansã. Depois, a agremiação chegou à Bahia e sua cultura para, em seguida, abordar os festejos de Santa Bárbara. Com o desfile apresentado, a agremiação tenta seguir mais um ano na Série Ouro.

Em Cima da Hora - A escola de samba do bairro de Cavalcante apresentou o enredo A Nossa Luta Continua, do carnavalesco Rodrigo Almeida. A agremiação abordou a luta dos trabalhadores contra as injustiças sociais. A escola abordou a Revolução Industrial, as greves e a vida dos trabalhadores. Com um aspecto simplório, a escola também teve problemas com a evolução, após o terceiro carro ter dificuldades para entrar. A agremiação só conseguiu entrar por completa na avenida com 31 minutos de desfile, mas conseguiu cumprir o tempo estabelecido e atravessou a avenida em 54 minutos.

Arranco - A azul, branco e ouro do Engenho de Dentro apresentou o enredo Nise - Reimaginação da Loucura, do carnavalesco Nícolas Gonçalves. Trata-se de uma homenagejm à Nise da Silveira, profissional que revolucionou no campo da saúde mental. A escola abordou a luta contra os manicômios, chegando ao legado de Nise da Silveira com o Museu das Imagens do Inconsciente, importante centro de estudos e pesquisas sobre saúde mental. A escola encarou o desafio em carnavalizar o inconsciente e cumpriu o objetivo, apesar das limitações.


Entrada do Arranco na avenida (Foto: Rafael Catarcione/Riotur)

União da Ilha do Governador - A agremiação do bairro da Cacuia abordou o enredo Doum e Amora: Crianças Para Transformar o Mundo, do carnavalesco Cahê Rodrigues. A escola falou sobre a infância e a luta contra o racismo, tendo como inspiração o livro "Amoras", de Emicida. No desfile, a agremiação mostrou quem são Doum e Amora, que celebram a forças das entidades dos erês. A escola também falou sobre as crianças das favelas, as brincadeiras de crianças e as tradições negras brasileiras, do samba ao funk. Com um desfile arrojado e canto forte, a agremiação insulana se candidata ao título da Série Ouro.


Abre-alas da União da Ilha (Foto: Rafael Max)

Unidos de Padre Miguel - O Boi Vermelho da Zona Oeste apresentou na Sapucaí o enredo O Redentor do Sertão, de Edson Pereira e Lucas Milato. A agremiação traçou a biografia de Cícero Romão Batista, o Padre Cícero, personalidade histórica do Nordeste do Brasil. A escola mostrou a sua visão da biografia de Cícero, da infância à sua ordenação como padre. Em seguida, a escola falou sobre as lendas que assustavam o povo de Juazeiro, cidade em que Padre Cícero se instalou, como o Lobisomem, a Caipora e a Mula sem Cabeça. Depois, chegou aos aspectos sociais do Nordeste, como o cangaço. Em seguida, a Unidos de Padre Miguel destacou a fé a partir do milagre de Juazeiro, quando o vinho se transformou em sangue. A partir daí, Juazeiro se tornou ponto de peregrinação, chegando às procisões de Nossa Senhora das Candeias, uma criação de Padre Cícero. Após a morte de Cícero, o sacerdote ganhou a alcunha de santo popular, fazendo a escola lembrar da devoção ao "Padim Ciço". A agremiação apresentou um enredo de fácil identificação, com destaques para fantasias e alegorias. O Boi Vermelho tenta a promoção para o Grupo Especial após ter ficado com o vice-campeonato da Série Ouro no ano passado.


Unidos de Padre Miguel (Foto: Rafael Catarcione/Riotur)

São Clemente - A escola de Botafogo apresentou o enredo Que Grande Destino Reservaram Pra Você, do carnavalesco Bruno de Oliveira. A amarelo e preto exaltou a vida e obra do compositor Zé Katimba. A escola mostrou as origens de Zé Katimba no Nordeste Brasileiro e suas composições, como "Só Dá Lalá", samba campeão do carnaval de 1981 pela Imperatriz Leopoldinense. Na passarela, a agremiação da Zona Sul veio apenas de maneira regular, buscando garantir mais um ano na divisão de acesso do carnaval carioca.

Unidos de Bangu - Jorge da Capadócia foi o enredo da vermelho e branco da Zona Oeste. O carnavalesco Robson Goulart abordou a vida de São Jorge, desde sua vida religiosa até a sua devoção no Brasil. A escola mostrou a vida de Jorge da Capadócia no exército e sua conversão ao cristianismo, fazendo-o virar alvo do imperador Diocleciano, que perseguia os cristãos no território do Império Romano. Com o martírio, Jorge passou a ser venerado como santo. Assim, a escola abordou a devoção a São Jorge na Inglaterra, chegando ao Brasil. A escola da Zona Oeste acabou ficando em desvantagem com um canto irregular e um desfile que teve altos e baixos - uma alegoria acabou danificada durante o desfile.

Império Serrano - Fechando a programação de desfiles, o Império Serano abordou o enredo Ilú-Oba Òyó: a gira dos ancestrais, sobre os locais onde estão situados Nigéria, Togo e Benin, império que leva o nome do enredo. A escola trouxe a cultura yorubá e seus orixás no contexto desse grande império. Novamente, a agremiação contou com o chão forte de sua comunidade para tentar brigar por uma vaga no Grupo Especial. 


Último carro do Império Serrano (Foto: Rafael Max)

Últimas de Carnaval Brasil