O Repórter

Salgueiro traz forte mensagem em defesa do povo Yanomami e da Amazônia

Escola foi a terceira a desfilar no Grupo Especial

Por Rafael Max
12 de fevereiro de 2024 às 02:48
Atualizada em 12 de fevereiro de 2024 às 03:00
Compartilhe a notícia:
Alex Ferro/Riotur
Detalhe da comissão de frente do Salgueiro
Detalhe da comissão de frente do Salgueiro

RIO - O Acadêmicos do Salgueiro fez um tributo à cultura Yanomami com o enredo Hutukara. O carnavalesco Edson Pereira apostou em uma celebração da Amazônia, sem esquecer da defesa do meio-ambiente e dos direitos dos indígenas.

Antes do desfile, a escola fez sua homenagem ao puxador Quinho, que morreu no início deste ano. O samba Peguei um Ita no Norte, campeão de 1993, foi cantado por Emerson Dias, que também deu o grito de guerra característico do puxador.

A escola abriu o desfile mostrando a Amazônia e a luta do povo Yanomami pela floresta, como mostrado na comissão de frente. O carro abre-alas trouxe a criação do mundo segundo o povo Yanomami, que acredita em um criador ("Omami"), que fez cair o céu sobre os ancestrais ("Hutukara"). Destaque para a iluminação da alegoria, que fazia um ótimo efeito visual quando a iluminação do Sambódromo ficava mais baixa. Contudo, teve dificuldades de se locomover, abrindo espaçamento na avenida.

A escola mergulhou na fauna e flora da Amazônia e as atividades dos Yanomami, como a caça e pesca. A luta pela terra veio em seguida, com as disputas contra mineradores e garimpeiros. A tragédia Yanomami ganha mais destaque no quarto carro, abordando ao desmatamento, contaminação do solo e poluição.

Depois, a escola destacou as lideranças que lutam pelo povo Yanomami. Por fim, foi a vez de falar sobre as mais diferentes etnias indígenas para fechar com uma exaltação aos povos originários.


O Salgueiro fez a sua defesa dos povos indígenas (Foto: Alex Ferro/Riotur)

Em seu desfile, o Salgueiro mostrou sua força nas fantasias e na bateria, mas com altos e baixos em alegorias. Contudo, não deixou de trazer sua mensagem de defesa do povo indígena. A vermelho e branco tenta garantir seu espaço no desfile das campeãs deste sábado.

Últimas de Rio