O Repórter

Unidos de Padre Miguel é a campeã da Série Ouro

Por Rafael Max
15 de fevereiro de 2024 às 09:30
Atualizada em 17 de fevereiro de 2024 às 16:14
Compartilhe a notícia:
Rafael Catarcione/Prefeitura do Rio

RIO - A Unidos de Padre Miguel foi a grande campeã da Série Ouro do carnaval do Rio de Janeiro, garantindo assim sua ascensão à elite das escolas de samba em 2025, o Grupo Especial. O resultadi foi anunciado após a apuração realizada na Cidade do Samba, localizada na região portuária da cidade.

O desfile da escola da zona oeste do Rio foi aclamado como praticamente impecável pelos jurados, com apenas uma exceção: uma nota 9,9 no quesito enredo. No entanto, devido à regra que permite descartar a menor nota em cada quesito, a agremiação obteve a pontuação máxima possível: 270 pontos.

Logo atrás, com uma diferença de dois décimos, ficou o Império Serrano, que conquistou o segundo lugar. Na sequência, foram classificadas as escolas Estácio, União de Maricá e São Clemente. Registrando as pontuações mais baixas da apuração, o Império da Tijuca (com 268,1 pontos) e o Sereno (com 267,9 pontos) foram rebaixados e competirão na Série Prata no próximo ano.

Ao todo, 16 escolas participaram dos desfiles na Marquês de Sapucaí pela Série Ouro, sob a organização da Liga Independente do Grupo A do Rio de Janeiro (Liga RJ). Horas antes da apuração, o critério de desempate foi sorteado, sendo o quesito harmonia o escolhido. Além disso, foram avaliados: fantasias, enredo, samba-enredo, evolução, comissão de frente, bateria, mestre-sala e porta-bandeira, alegorias e adereços.

A Unidos de Padre Miguel foi a quinta escola a desfilar no segundo dia de apresentações, no sábado (10), trazendo para a avenida o enredo intitulado "O redentor do sertão", concebido pelos carnavalescos Lucas Milato e Edson Pereira. Em destaque, a figura de Padre Cícero, um dos mais importantes sacerdotes católicos do Brasil.

A narrativa sobre o "Pade Ciço" foi elaborada a partir do imaginário do povo nordestino, explorando as questões místicas que o envolvem. Ao abordar o nascimento do sacerdote, o desfile ressaltou, por exemplo, como muitos o consideravam uma representação do próprio Deus cristão. O samba também enfatizou a sensibilidade do milagreiro diante das dificuldades enfrentadas pelo sertanejo, como a seca e a fome.

Últimas de Carnaval Brasil